O Uruguai inaugurou o sistema de embarque em voo por reconhecimento facial: O terminal da Latam no aeroporto de Montevidéu é o primeiro a usar a tecnologia na América do Sul
09/11/2018 07:26 em Notícias

Viajantes da Latam que passarem pelo Aeroporto Internacional de Carrasco, em Montevidéu, no Uruguai, poderão dispensar a apresentação de documentos na hora do embarque. Desde 26 de outubro, sistemas de reconhecimento facial substituem comissários na checagem de identidades na porta do avião. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

O passageiro, porém, não deve deixar o passaporte ou RG em casa: ele ainda é necessário. A diferença é que agora é preciso apresentá-lo apenas uma vez, durante a imigração. Depois, já no portão, o sistema compara o rosto do passageiro com sua foto do documento de identidade e libera sua entrada na aeronave.

Baseada no reconhecimento de uma característica física intransferível das pessoas, como a impressão digital, ou o rosto, o uso de biometria pode dobrar o número de passageiros embarcados por minuto segundo a Latam.

Essa é a primeira vez que a tecnologia é usada para embarque no continente. Ao redor do mundo, porém, algumas iniciativas antecipam um futuro em que viajar de avião dispensará documentos.

No dia 1º de dezembro, a Delta Airlines estreia no aeroporto de Atlanta o primeiro terminal 100% biométrico dos Estados Unidos. Nele, sistemas de reconhecimento facial permitirão aos viajantes ir da entrada do aeroporto ao portão de embarque sem apresentar nenhum documento, incluindo a travessia por postos de imigração e de segurança.

O “corredor inteligente” da Emirates tem ares ainda mais futuristas. Em teste no aeroporto de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, desde 10 de outubro, mas sem data de abertura prevista, ele consiste em um túnel com sensores de reconhecimento de rosto e de íris e substitui a burocracia de imigração.

Na China, a tecnologia já é realidade. O aeroporto de Hongqiao, em Xangai, inaugurou em outubro o primeiro sistema de biometria completamente automatizado do país, também do check-in ao embarque.

Embora prático, o sistema esbarra na falta de informações claras sobre o uso posterior dos dados privados cedidos pelos passageiros (no caso, seu rosto ou impressão digital). E representa mais um passo em direção à automação do trabalho.

No Brasil, seguindo a tendência mundial, máquinas de autoatendimento já substituíram muitas etapas antes realizadas por funcionários das companhias aéreas.

A Gol implementou em 2017 um check-in via reconhecimento facial, em que o passageiro confirma a viagem através de um selfie no celular. Em setembro deste ano, foi a vez do despacho de malas ser automatizado pela companhia.

Ainda não há, no entanto, iniciativas para implementação de embarque (ou outras etapas) por biometria no país. A Latam disse estar trabalhando na possibilidade junto às autoridades aeroportuárias brasileiras.

Fonte: O SUL

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
PUBLICIDADE