A metade dos iPhones já vendidos no mundo ainda está em uso
31/01/2019 16:43 em Notícias

Mais da metade de todos os iPhones já vendidos —mais de 900 milhões de aparelhos— continua a ser usada hoje, revelou a Apple na terça-feira à noite (29).

O número sustenta a maior esperança da empresa de recuperar o aumento das receitas: que mais de 900 milhões de clientes fiéis continuarão gastando mais em aplicativos, assinaturas e acessórios antes de acabarem comprando outro iPhone.

Mas a estatística também revela o maior desafio da Apple —que as pessoas gostem tanto de usar seu iPhone atual que não queiram comprar um novo.

Tim Cook, presidente-executivo da Apple, admitiu que os clientes estão demorando mais para trocar seus smartphones do que nos primeiros tempos do iPhone, contribuindo para uma queda de 5% nas receitas em seu grande trimestre das festas de fim de ano.

“Criamos nossos produtos para durar o máximo possível”, disse Cook em uma teleconferência com analistas na terça à noite. Isso contribui para o alto nível de satisfação e lealdade dos consumidores da Apple, acrescentou ele, mesmo que dificulte para a empresa atingir as metas trimestrais de Wall Street.

“O ciclo médio [de renovação] se ampliou, não há dúvida sobre isso”, admitiu Cook.

“Para onde irá no futuro não sei, mas estou convencido de que fazer um ótimo produto de alta qualidade é a melhor coisa para o cliente.”

Cook precisa convencer os investidores disso para que Wall Street acredite que o pico do iPhone não significa necessariamente o pico da Apple.

Os resultados de terça-feira viram a Apple confirmar que a queda nas vendas de iPhones, especialmente acentuada na China, deverá continuar por vários meses, com as vendas caindo até 10%.

A Apple planeja reduzir o preço de alguns modelos do iPhone pela segunda vez na história de 12 anos do aparelho, fora dos Estados Unidos, para miminizar o impacto da valorização do dólar sobre moedas locais.

Apple não informou que países vão ajustar os preços. Revendedores na China já começaram a cortar preços do aparelho no início deste mês, depois que a Apple reduziu projeção de vendas para o trimestre encerrado em dezembro.

A Apple não informou quando ou com que frequência poderá reajustar seus preços por causa de mudanças cambiais.

A estratégia é uma medida de contornar vendas fracas do iPhone, particularmente em mercados internacionais como a China, onde um aumento de 10% no dólar no ano passado fez os produtos da Apple, que já tinham preços elevados, ficarem muito mais caros que os de rivais.

O presidente-executivo da Apple, Tim Cook, revelou o plano na terça-feira depois que a companhia divulgou a primeira queda nas vendas de iPhone durante um quarto trimestre. A companhia apenas reduziu o preço do aparelho uma vez antes, pouco depois de seu lançamento, em 2007.

Fonte: O SUL

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
PUBLICIDADE