Com o isolamento social e o medo de comparecer aos serviços de saúde durante a pandemia de Covid-19, a cobertura vacinal no Brasil este ano está muito abaixo da meta, com algumas vacinas do calendário básico do PNI (Programa Nacional de Imunização) não atingindo metade do público-alvo esperado. O alerta foi feito nesta terça-feira  (15) pela SBIm (Sociedade Brasileira de Imunização), durante o lançamento da campanha #CRIE+proteção, para divulgação dos serviços gratuitos dos Cries (Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais).

O presidente da SBIm, Juarez Cunha, apresentou dados do Data SUS referentes a agosto, segundo os quais nenhuma cobertura para crianças até 2 anos atingiu 60% do público-alvo no período. No caso da hepatite B, estava em 45,35%, da poliomielite, em 51,75% na primeira dose e 45,23% no primeiro reforço e, no reforço da tríplice viral, em 44,34%. E apenas 10% das gestantes tomaram a dTpa no mês passado. Essa vacina protege contra difteria, tétano e coqueluche.

Cunha alertou que a falta de vacina pode trazer complicações importantes para a saúde coletiva, no momento em que se discute a reabertura das escolas e o retorno às aulas presenciais para crianças e adolescentes. Ele enfatizou que os dados são de agosto são preliminares, mas que os números atuais estão na faixa de 60%, o que é muito baixo.

Segundo Cunha, o risco é que todas essas doenças, que estão eliminadas ou controladas, podem retornar, principalmente com o retorno da mobilidade de toda a população e o retorno às aulas.

Ele lembrou que, no ano passado, não se atingiu a meta em nenhuma vacina para até 2 anos, com praticamente todas ficando abaixo dos 85%.

Hesitação

A vice-presidente da SBIm, Isabella Ballalai, ressaltou que, desde 2017, a cobertura vacinal vem caindo, com o aumento do movimento de “hesitação ante a vacina”, o que levou o País ao retorno, por exemplo, do sarampo, com 18 mil casos em 2018, 10 mil em 2019 e de já estar com quase 8 mil registros este ano, apesar da pandemia e do isolamento social.

O médico e divulgador científico Dráuzio Varella, que apresenta a campanha dos Cries, disse que a expectativa de vida no País  mais do que dobrou no último século, passando de 35 anos em 1900 para 76 anos atualmente. Varella afirmou que a vacinação é responsável por boa parte desse avanço, ao lado do saneamento básico e das melhores condições de higiene, e condenou veementemente os movimentos contrários à vacinação.

“Você não teve poliomielite porque seus pais o vacinaram. E agora você nega esse recurso para os seus filhos? A gente deveria ter leis muito severas contra esses grupos.”

De acordo com a médica do Crie Martha Lopes, o programa de vacinação brasileiro, criado em 1973, é o maior do mundo e foi responsável pela eliminação da poliomielite no País desde 1994 e da rubéola desde 2015.

Grupos de risco

Atualmente existem 51 Cries no País, com pelo menos uma unidade em cada Estado, para atendimento de pessoas com necessidades específicas de imunização, como pacientes imunodeprimidos, com câncer, que vivem com HIV ou transplantados, além de quem convive com eles. Tais grupos não devem seguir o calendário geral de vacinação do País, para adultos e crianças.

Uma pesquisa da Ipsos, apresentada no lançamento da campanha, revela que um em cada cinco médicos não conhece o serviço do Crie e que 84% dos profissionais encaminham os pacientes para vacinação nos postos de saúde. Entre os pacientes atendidos nos centros, 91% foram encaminhados pelo médico que acompanha seu tratamento, sendo que em 70% dos casos de recomendação por alguma vacina, o paciente foi tomar sem receio e nos 30% restantes recebeu a imunização apesar de ter algum receio sobre o efeito na condição de saúde.

O desconhecimento dos pacientes especiais sobre as vacinas disponíveis também é grande. A pesquisa mostra que 80% não tomaram a vacina contra pneumonia por desconhecer a existência dela. Entre os médicos que não encaminharam para o Crie, 39% disseram que o motivo foi o paciente usar a rede privada e 24% admitiram ter esquecido da existência do serviço.

De acordo com Varella, a atual pandemia de Covid-19 não deve ser impeditiva para pessoas que precisam sair para tomar as vacinas, como as que já têm a saúde mais frágil, público-alvo dos Cries. “Justamente essas pessoas é que precisam sair de casa, porque elas correm risco. Eu vivi o tempo em que os pacientes oncológicos melhoravam do câncer, mas morriam de quadro pulmonar, de varicela. Se você têm uma condição clínica que favorece essas infecções todas, você tem que se vacinar”, afirmou Varella.

Ele destacou que corre-se mais risco de contrair o novo coronavírus nos supermercados, na padaria, andando pelas ruas ou encontrando os amigos para conversar do que em um hospital ou em um centro de vacinação, onde todas as precauções são tomadas para evitar o contágio.

Fonte: https://www.osul.com.br/cobertura-vacinal-na-pandemia-esta-abaixo-de-60/

Deixe seu Comentário