A Lei da Palmada, que foi rebatizada de Lei Menino Bernardo, estabelece o direito da criança e do adolescente de serem educados sem o uso de castigos físicos ou verbais. Até mesmo a palmada corretiva deve ser evitada e substituída por métodos de educação não violentos, como privação de um privilégio (não assistir TV ou jogar no celular, por exemplo) e reparação do dano (ajudar consertar o que foi quebrado).

Entrevistas desta edição: Representante da rede “Não Bata, Eduque” Márcia Oliveira; representante da Andi Miriam Pragita; ex-presidente do Conanda Marco Antônio Soares e deputada Érika Kokay (PT-DF).

Produção – Cristiane Baker e Lucélia Cristina

Deixe seu Comentário