Aos 80 anos, o cantor Ney Matogrosso permanece em plena atividade musical com uma vitalidade invejável e uma agenda intensa: “estou num batidão”, afirma nessa entrevista embalada por algumas canções do seu vasto repertório, entre elas a bela Veleiros, de Villa-Lobos, e Pato Preto, de Tom Jobim, ambas gravadas para o álbum O cair da tarde, o décimo-sexto da sua carreira solo lançado em 1997.

Ney fala do show Bloco na Rua, que está circulando por várias capitais do país; da sua busca incansável pela liberdade de expressão; da “censura besta” que marcou os anos de ditadura militar e de outros temas que permeiam a sua longeva estrada musical. A sua trilha traz ainda dois clássicos da música brasileira em interpretações inesquecíveis:  Balada do Louco (Arnaldo Baptista e Rita Lee) e Metamorfose Ambulante (Raul Seixas).


Produção, Reportagem e Apresentação André Amaro

Deixe seu Comentário