A divulgação do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril gerou rápida repercussão de políticos, partidos e autoridades.

Veja a seguir: PSDB, partido político "A reunião ministerial do dia 22 de abril ficará marcada como um dos momentos mais baixos e deprimentes da história recente brasileira.

Nenhum apego à liturgia do cargo, linguagem chula, ameaças gratuitas.

Em alguns momentos parecia mais uma reunião de uma gangue armamentista". Onyx Lorenzoni, ministro da Cidadania: "A divulgação do vídeo da reunião mostra claramente um governo comandado por um homem que se preocupa em servir ao povo brasileiro.

O Brasil não estava acostumado a isso, e sim com governos que se serviam do trabalho do povo brasileiro". Jorge Oliveira, ministro da Secretaria-Geral da Presidência: "Conteúdo divulgado, sem nexo com o inquérito, apenas expõe o PR @jairbolsonaro com palavras não polidas buscando o melhor para o Brasil.

Em outros governos quem fala(ou) bonito f...(eu) nosso povo". Humberto Costa (PT-PE), senador: "Bolsonaro acabou". Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder da oposição no Senado: "Como acontece uma reunião dessas no meio de uma pandemia e ninguém fala sobre um plano de ação para enfrentá-la? O Brasil está sem presidente, e não vai aguentar o pós-pandemia.

Bolsonaro tem que ser afastados pelos seus crimes e para o bem da nação! O vídeo da reunião ministerial é absurdo.

Repleto de crimes, ameaças à democracia, quebras de decoro e de falta de ética para gerir uma nação.

São inaptos, mas também são abjetos.

Bolsonaro não pode continuar à frente da Presidência da República! Tem que cair pelo bem do país!". Jaques Wagner (PT-BA), senador: "O vídeo foi requisitado como prova.

E como prova, mostra a tentativa de interferência na Polícia Federal do Rio de Janeiro.

E revela, definitivamente, que ele não é uma pessoa preparada para comandar uma equipe, muito menos para governar um país.

Fica nítido o constrangimento de vários ministros". Rogério Carvalho (SE), líder do PT no Senado: "NENHUMA PALAVRA SOBRE SALVAR VIDAS NUMA PANDEMIA.

O vídeo da reunião confirma o crime e autoritarismo do presidente da República, a cumplicidade de Mourão, a delação de Moro, uso do armamentismo para fins políticos, má-fé para aprovação de leis, e o desejo de acabar com a democracia". Eliziane Gama (MA), líder do Cidadania no Senado: "É impossível imaginar que o ministro da Educação fique no cargo, depois de hoje.

Ele deseduca, destila ódio, admite perseguições, usa palavrões e termos chulos.

É um comandante de milícias criminosas, não uma autoridade republicana.

Para o bem do país, deve ser demitido imediatamente.

Estarrecedor o conteúdo do vídeo da reunião ministerial divulgada pelo STF.

A forma chula, os palavrões e os ataques às instituições revelam um governo que rompeu com a democracia que o elegeu.

Tudo deixa claro q o presidente quer as instituições a seu serviço e não do povo". Fabiano Contarato (Rede-ES), senador "Ameaça de golpe por notinha? Golpistas de outrora eram menos indignos! General Heleno não intimidará as instituições com bravatas! Viúvo da ditadura, agora quer desviar as atenções do vídeo que incrimina seu chefe! O presidente fala abertamente que queria interferir na PF.

Veja!". Aguarde mais informações